Cão Victor demorou para ser adotado, mas foi devolvido rapidamente; adotante não esperou pelo tempo de adaptação do animal
Reprodução
Cão Victor demorou para ser adotado, mas foi devolvido rapidamente; adotante não esperou pelo tempo de adaptação do animal

As mudanças de comportamento causadas pela pandemia de Covid-19 têm aumentado a preocupação com o abandono de cães e gatos. Se por um lado muitas pessoas decidiram adotar um novo pet no começo da quarentena, outras acabaram deixando os animais na rua. 

“Com a chegada do coronavírus, muitas pessoas não se viram mais em condições de manter um pet dentro de casa. Outras mudaram de ideia e, agora que não estão mais em casa, não acreditam mais na ‘necessidade’ de um animal que foi adotado no começo da quarentena. Isso é terrível para nós e para os pets também”, afirma a voluntária na AATAN (Associação Abrigo Temporária de Animais Necessitados), Cinthia Volcov Delvecchio.

Leia mais:

Dono de pitbull é preso por maus-tratos em Itu

A associação, que atua desde 2010 em Sorocaba , abriga hoje mais de 200 cães e 50 gatos. No dia a dia, conta com a ajuda de 15 voluntários para cuidar dos animais abandonados. 

Gato Baelfire chegou a ser devolvido três vezes
Reprodução
Gato Baelfire chegou a ser devolvido três vezes

Voluntária na entidade há cinco anos, Cinthia conta, triste, vários casos de cães e gatos que acabaram na rua. Em uma das ocasiões, por telefone, uma moradora afirmou que estava mudando de cidade e, por conta disso, deixaria a cachorra na rua durante a pandemia . “Encontramos o animal muito magro, assustado e com frio. Só de lembrar já fico triste”, diz. Após receber todos os cuidados, a cachorra ganhou o nome de Nina e hoje convive com os outros cães e gatos no abrigo.

Você viu?

Cenas como essa poderiam ser evitadas, segundo a voluntária. Para ela, é preciso ter consciência no momento da adoção. Para tentar reduzir os casos de abandono , a AATAN adota protocolos e faz uma série de exigências no momento da adoção, que incluem um termo de responsabilidade. “Ainda assim existem rejeições no mesmo dia, no dia seguinte ou até depois de meses com o animal”, lamenta a voluntária. 

As fotos dos animais são postadas no Facebook e Instagram da associação e as pessoas que se interessam entram em contato. A história e a personalidade dos animais são apresentadas, a pessoa passa por uma avaliação, entrevista, assina os termos de responsabilidade e finaliza a adoção. 

Embora não haja estatísticas oficiais, uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que mais de 30 milhões de cães e gatos estejam em situação de abandono no Brasil. Abandonar ou maltratar animais é crime previsto pela Lei Federal nº 9.605/98. Vale lembrar que uma nova legislação, a Lei Federal nº 14.064/20, sancionada em setembro do ano passado, aumentou a pena de detenção que era de até um ano para até cinco anos para quem cometer este crime. Além disso, o rito processual passa à vara criminal, não mais ao juizado especial.

Estou apto a adotar? 

Antes de adotar , é necessário ter consciência das responsabilidades e da nova rotina que a família precisará ter com o cão ou gato em casa. Confira algumas dicas para ter a certeza de que será uma boa escolha adotar um animal de estimação e quer. 

Você está disposto a adotar mesmo?
Se ficar doente você tem condições e terá como cuidar?
A adaptação demora, você tem paciência?
Têm espaço para cuidar? 
Quer mesmo um novo integrante para a sua família?

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários